Peripécias de um desocupado

Eu sempre acreditei que contos de fadas existissem.. talvez seja por isso que hoje eu sou uma pessoa tão frustrada, em busca de encontrar nesse mundo um amor tão puro e tão bonito quanto o das histórias que eu cresci ouvindo.

É, e se sentir bem, talvez seja sinônimo de se manter sozinho..

Eu sou tão estranho. Às vezes eu gosto de ficar sozinho, de não falar com ninguém. Às vezes eu fico exageradamente triste, feliz ou com raiva do nada. Às vezes eu falo coisas que não deviam ser ditas e deixo de falar as coisas que realmente importavam. E às vezes eu machuco as pessoas. E às vezes eu não peço desculpa. Eu escuto uma música milhares de vezes e nunca me canso dela. E eu escuto as músicas e todas elas parecem ser um pedaço da minha vida. E a maioria das vezes eu me arrependo do que faço. E eu sempre quero voltar atrás. E a maioria das vezes eu esqueço o quanto eu aprendi com os meus erros, o quanto eu cresci e o quanto eu me sinto bem sendo assim, tão estranho.

Diz a lenda, que as mais belas histórias de amor, estão perdidas nas reticências…

Se tudo na vida fosse alegria, as pessoas não dariam valor a felicidade. As vezes é preciso chorar para sabermos o quanto é bom sorrir, é preciso sentir saudade para saber o quanto gostamos de alguém. Quando temos tudo, nada parece ter valor.

Sempre haverá uma parte de mim que será detestável, mas eu gosto disso. Doa a quem doer, não consigo agradar nem a mim mesmo. 

O mundo é uma competição de querer mostrar quem é que ama mais, mas no fundo ninguém ama ninguém.

Amadureci vendo as pessoas que amo me trocando. E continuo.

Eu tinha aquela crença bonita de que tudo no fim dá certo.

Ultimamente minha própria mente vem me aterrorizando.